Apenas 5% dos millennials são usuários ‘avançados’ de Internet, diz estudo.

Uma pesquisa da Telefónica, realizada, com mais de 6.700 jovens entre 18 e 30 anos – em 18 países na América Latina, Estados Unidos e Europa mostra que 71% dos jovens utiliza tecnologias móveis para acessar à Internet. Entretanto, apenas 5% deles são classificados como usuários “avançados”. Para Gabriella Bighetti, diretora da Fundação Telefonica, o dado pode parecer contraditório, mas não é. “O que eles têm em comum é o uso plural das redes sociais. Mas cada um a seu jeito”, diz.

O resultado da pesquisa Telefónica Global Millennial Survey foi revelado no evento Millennials, durante a Futurecom 2014, maior feira de telecomunicações da América Latina, que acontece em São Paulo.

Na visão desta geração, a tecnologia, principalmente móvel, é uma aliada fundamental. De acordo com o estudo, há apenas um consenso com relação aos “millennials”, como é conhecida essa geração: a adoção da tecnologia móvel. No Brasil, o número de entrevistados que declarou ter um smartphone – e estar na vanguarda da tecnologia – subiu de 63% em 2013 para 78% em 2014. Já os que possuem tablets subiu de 24% para 42%.

A pesquisa mostrou ainda que outras plataformas, como SmarTVs e dispositivos wearables (como smartwatches), entrou de vez na vida dos millennials: 35% dos entrevistados declararam ter televisores inteligentes, enquanto 27% afirmaram “vestir” algum dispositivo inteligente.

Para Alec Ross, ex-conselheiro sênior de inovação da secretaria de estado dos Estados Unidos, Hilary Clinton, os millennials são a geração mais incompreendida do mundo.

“Tudo o que se fala deles é errado. O importante da pesquisa é mostrar com dados, os fatos que indicam tendências”, diz. Ainda segundo Ross, é alarmante notar que os jovens da Europa Ocidental têm metade do índice de empreendedorismo do Brasil. “Esse espírito é mais forte, hoje, no Brasil e na América Latina. O mais importante de tudo é provar que o ‘Sonho Americano’ está vivo. Mas na América Latina.”

Outro dado interessante da pesquisa é o indicativo de que os jovens da América Latina estão menos satisfeitos com a educação do que os europeus e norte-americanos. E, no Brasil, o índice de insatisfeitos com o sistema de ensino atinge 75%, enquanto nos outros países latino-americanos, este número fica em 57%. E para outros 70% – praticamente dois em cada três jovens – o sistema de ensino é onde o governo precisa investir mais.

“Diferentemente de outras gerações, os millennials não estão rompendo com nada. Ao contrário, em comparação com seus predecessores, eles são integradores, constroem sobre o que veio antes e não espera nada, vai lá e faz”, diz Bighetti.

Ainda segundo a diretora da Fundação Telefonica, para entender os millennials – e a relação que eles fazem entre tecnologia, sociedade e futuro, é preciso entender o sentido da palavra “empreendedorismo”. Segundo Bighetti, empreender é ser protagonista. “Não é liderar pela ideia, é liderar pela ação. Ao fazer, ele contagia seus pares. Assim, mesmo dentro de uma grande empresa, você pode ser um empreendedor”.

Via Tech Tudo

%d blogueiros gostam disto: