TI pública precisa dar saltos de qualidade.

A empresa de TI da Previdência Social festejou nesta terça-feira, 9/12, seus 40 anos com a reinauguração do edifício sede, em Brasília. Mas para além das comemorações, o presidente da Dataprev, Rodrigo Assumpção, lembrou que os serviços de tecnologia da informação dentro do Estado precisam dar saltos de qualidade.

“A TI pública precisa se repensar. O desafio ainda não começou. Não foi atualizar a tecnologia, atualizar o parque de máquinas. O desafio é dar conta de atender a necessidade do negócio público, da informação em tempo real, da entrega imediata da análise dos dados”, afirmou o executivo, durante a cerimônia desta terça. “Precisamos ser mais rápidos ainda”, emendou.

Atuando nessa linha, a Dataprev acaba de abrir um novo processo de licitação para investimentos em big data. Está em consulta pública o termo de referencia para a compra de um sistema de Descoberta de Dados, a ser adquirido via registro de preços. A expectativa da empresa é que os valores já sejam indicados em meados de janeiro.

“Temos que comemorar a sobrevivência da empresa depois de um ambiente altamente hostil às empresas públicas, nas décadas de 1980 e 1990. A ideia era terceirizar, assim como éramos reféns da Unisys até pouco tempo, o que é outra razão para comemorar”, destacou o secretário executivo do Ministério da Previdência Social e presidente do Conselho de Administração da estatal, Carlos Gabas.

Ele alertou, no entanto, que o aperto fiscal fará de 2015 um ano mais difícil para a empresa. “Ano que vem vai ser um ano mais duro do que este. O ‘tio’ Levy, simpaticíssimo, já nos disse que a vida vai ficar mais dura”, afirmou Gabas, referindo-se ao já anunciado novo ministro da Fazenda para o segundo mandato da presidenta Dilma Rousseff, Joaquim Levy.

Até aqui, a Dataprev também comemorou resultados positivos do último exercício financeiro divulgado. “Em 2013, a Dataprev registrou uma receita operacional líquida de R$ 1,011 bilhão, equivalente a um crescimento de 10,92% em relação ao período anterior, e um lucro líquido de R$ 177,6 milhões, ou 15,59% superior ao do exercício de 2012”, diz nota da empresa.

Para a reforma da sede foram investidos R$ 65,8 milhões – a foi a primeira modificação no prédio desde a construção, em 1977. Do valor aplicado, R$ 24 milhões foram destinados ao data center. Chamado de Centro de Processamento Distrito Federal, ele ganhou uma sala-cofre de 120 metros quadrados e nova infraestrutura elétrica e de refrigeração.

Via Convergência Digital

error: Conteúdo Protegido !!
%d blogueiros gostam disto: